Fantastic Mr Fox e Darkstar no Musicbox

A par da surpresa Maria Matos, o espaço MusicBox no Cais do Sodré tem-se feito notar como uma das mais interessantes galerias lisboetas para os novos sons. Os nomes têm-se multiplicado, cada vez mais relevantes e em cima do acontecimento e a mais ou  menos recente aposta na avalanche de produtores do dubstep mais livre e melancólico vai, com certeza, colher frutos que se quer, em Portugal.

Hoje escreve-se sobre três essenciais, em visita já para o próximo mês, por isso marquem na agenda, se é que ainda se usa disso.

(clickem MORE para MAIS)

Continue reading

James Blake live @ BBC Radio 1 (video)

James Blake soma e segue.  O homem ficou em segundo lugar na lista de sons a ter em conta para 2011, segundo a BBC, e  justificou essa escolha com uma prestação perfeita nos estúdios Maida Vale da estação.

Juntar um apoio visual a esta selecção de temas do seu quase eminente EP parece sublinhar o lado mais intelectual do som de James, que aparecem aqui como as sólidas composições que são. E a proeminência da guitarra dá toda uma nova pinta à coisa….

Para o resto da sessão, rumem ao site da BBC Radio1.

Parenthetical Girls – The Common Touch (video)

O dia está mais que marcado, mas felizmente há sempre um comic relief.

Os Parenthetical Girls lançaram novo vídeo, desta vez  como moldura para a faixa de abertura do EP Privilege pt. IIThe Common Touch.

O vídeo, como é costume com esta banda, tem o seu quê de vergonha alheia e consiste  numa performance mal dançada em plano sequência, realizada por Guy Wagner e coreografado por Allie Hankins É de certa forma bonito, pois é giro ver gente talentosa e tão jovem a ser jovem e talentosa sem problemas de consciência.

Já com Common Touch, o caso é bem diferente. Sinto-me um bocadinho culpado por não a ter incluído, assim como todo o  EP, na listinha de melhores de 2010. E não o fiz porque sempre achei que o prazer de ouvir as composições pop barroca destes tipos fosse uma coisa mais pessoal que realmente meritória.

Mas que se lixe isso. Privilege pt II foi um dos melhores EPs de 2010, e The Common Touch seria um dos seus grandes singles, não tivesse saído só agora. Agora dancem para mim.

Rip Trish Keenan

Dia cinzento, para a música independente. Trish Keenan, terço criativo e voz dos Broadcast, deixou-nos ontem subitamente depois perder uma breve mas violenta batalha com uma pneumonia.

As noticias chovem hoje, a história é especialmente triste porque completamente inesperada, mas resta agora a recordação. E dos artistas recorda-se a arte.

Come On Let’s Go (The Noise Made By People)

Tender Buttons (Tender Buttons)

Kanye West & Jay-Z – H.A.M.

Antes ainda de sair o brilhante My Twisted Dark Fantasy, já Kanye falava da sua futura colaboração com Jay-Z como a melhor coisa que ele tinha feito na vida. Ainda é cedo para contrapor factos com promoções (ego-marketing?), mas não é cedo nem é tarde para ouvir H.A.M., o primeiro dos rebentos de Watch The Throne, a colaboração de sonho entre a doce realeza Kanye West e Jay-Z.

Do que se houve, aposta-se já que 2 + 2 poderá ser = 5. A ideia de Kanye West e Jay-Z produzirem juntos já é épica, os dois fizeram questão de tornar o épico literal. Um pouco demais? Talvez. É importante? Não.

Oiçam-na aqui ou no facebook do projecto (contra um simples like), que o youtube está a morrer….

Blanche Blanche Blanche – Shout Out Loud (video)

Na altura em que este vídeo começou a circular por aí, não se sabia muito destes fantasmas de nome Blanche Blanche Blanche. Passaram-se alguns meses e o status parece não ter mudado muito: o nome do projecto continua a ser um absoluto castigo de escrever, e o álbum Songs of Blanche Blanche Blanche está ainda por editar.

Uma visita ao site da minúscula editora OSR revela-nos no entanto que, para além do novo vídeo, também já está disponível um novo mp3 que terá ficado de fora do alinhamento do pacote que aí vem. A interessante abordagem no-wave dos BBB a um witch-house claramente ainda longe de implodir força ansiedade por mais novas de alegria por aqui, e por isso espera-se.

Entretanto, é continuar a ouvir esta Shout Out Loud, com ou sem vídeo, em repeat.

Apesar de viciado nesta faixa, continuo a achar que uma estrutura mais clássica a teria favorecido. O belíssimo trecho 0.26 ~ 0.48 não se repete na música inteira, e isso devia ser crime. Provavelmente é…