Rural Alberta Advantage – Stamp (video)

Sábado dentro de casa! Tão lame quanto soa… Felizmente não falta entretenimento, em especial o novo vídeo dos meus canadianos preferidos, depois dos Arcade, Pallet, Death From Above, Wolf Parade…

” – Concentra-te”.

O regresso dos Rural Alberta Advantage está eminente e o primeiro single para o novo álbum Departing tem agora um vídeo. A peça é uma estranha mas hilariante pequena história sobre expectativas mal orientadas, encenada num concerto tão exclusivo que é bem possivel que só tenha acontecido na cabeça de duas pessoas. Muito bom, e excelente forma de começar a colocar o nome dos Rural Alberta Advantage na fila da frente, como já era devido.

Casa comigo, Amy Cole.

Departing sai a 1 de Março, pela Paper Bag/Saddle Creek Records.

Downliners Sekt – Incerta Glòria

Os Downliners Sekt jogam com os limites do dubstep, e pretendem ficar na periferia eles próprios. Não sei quem são, donde vêm, o que calçam, e isso não interessa nada.

Bem mais interessante é a forma como as paletas monocromáticas do som de We Make Hits, Not The Public (ultimo EP) nos fazem reflectir sobre as origens do género, e a sua inclinação natural para os jogos de silêncio. Se a força do dubstep é o poder da ausência e antecipação – desde Kode 9 a Skrillex, vá – então as faixas deste duo são um tratado selado, que assegura a lealdade a um ideal de fazer o mínimo, com o máximo.

O aparecimento do genial (mão ->palmatória) James Blake re-introduziu a mini-saia na aldeia, mostrando que o potencial do silêncio se pode estender a toda uma frase, se isso for necessário para produzir uma sensação. Os Downliners Sekt, por seu lado, preferem o toque físico da matemática, o nirvana atingido pelo constante baralhar das nossas expectativas, por vezes com uma brutalidade quase industrial.

Dão-nos assim algumas das melhores coisas que ouvi nos últimos meses, como esta Incerta Glòria (sic), segunda faixa do EP que, assim como todos os seus outros trabalhos, disponibilizam para download gratuito no site do projecto. Os Artistas ainda andam aí, portanto.

Esben and the Witch – Violet Cries (stream)

Ainda há uns dias falámos deles, a propósito do novo vídeo para Warpath. Em mais um óbvio e desprezível esquema do Anita para postar fotos de gente gira, justificamos falar novamente dos Esben and the Witch com a recente disponibilização do novo álbum Violet Cries,  para stream,  no Stereogum.

Enquanto escutam o muito interessante debut da banda, espreitem também o texto que acompanha o artigo, pois vale a pena. Entretanto, fiquem com o vídeo para Marching Song, segunda faixa de Violet Cries,  e atentem que o volume deste player vai até ao 11.

Vodpod videos no longer available.

Violet Cries sai a 31 de Janeiro, pela Matador.

Anita Vai ao Mel 19

Este é um podcast muito especial para mim, porque é o ultimo.

É o ultimo que gravarei aqui em casa.

É o ultimo da temporada.

Não é o ultimo. Após algum trabalho nos bastidores, já posso dar a noticia que o podcast Anita vai ao Mel vai mudar de casa, passando a fazer parte da programação da Rádio Autónoma. Mais notícias para muito breve, talvez na forma de primeiro programa que, a partir de agora, será religiosamente semanal. Não há mais preguiças.

Quanto ao programa que vos trago hoje, é cheio de nostalgia dos tempos de petiz, sem ter um único tema anterior a 2005. Games com Laurel Halo, Lower Dens, S.maharba, Color Theory: tudo gente mais ou menos nova a forçar-nos a recordar os tempos em que as cassetes não eram cool, sem mais nada que a melodia certa no momento perfeito.

Temos também novidades do super grupo Mister Heavenly (temas para download aqui),  Charlotte Martin e os Starfucker. Fazemos rude apresentação a quem não conhece os Esben and The Witch, Lia Ices e os Blanche Blanche Blanche; e saudamos os habitués como James Blake e Okinawa Lifestyle.

Lá pelo meio, recordação para Trish Keenan e seus Broadcast. Aproveita-se e deixa-se link para a ultima mixtape da Trish, uma colecção deliciosa de coisas que ela foi encontrando pela estrada nos ultimos meses antes de ser internada. Felizmente a colecção não vale pelo significado, mas sim pela qualidade e doçura das faixas (até agora anónimas) que ela compilou.

Já sabem, podem fazer download do podcast #19 para ouvir por aí, ou simplesmente fazer stream aqui em baixo. Fica aperitivo para a sessão.

DOWNLOAD (zippyshare)

Okinawa Lifestyle – Wir Sind In Der Zukunft Geblieben

(clickem MORE para tracklist)
Continue reading

4AD Sessions: Twin Shadow (+ Vila do Conde e Lisboa)

São os emails que eu mais gosto de receber –  depois das correntes de solidariedade, chamem-lhe curiosidade mórbida.

A 4AD, continuando a sua tradição de promover os seus meninos com sessões intimistas filmadas em HD, disponibiliza agora um bom set de quatro temas de Forget tocados ao vivo por Twin Shadow e banda nos Teddington Studios, no final de 2010.

Ora esta sessão vem mesmo jeito de outras notícias: O compositor de Slow, que já tinha programado visita a Vila do Conde (Teatro Municipal), vem afinal também à capital, para gáudio dos mouros preguiçosos. Teremos assim dose dupla de Twin Shadow, primeiro no Lux em Lisboa a 25 de Maio, depois no Teatro Municipal de Vila do Conde a 26. Good times.

Clickem no logo para espreitarem o set. Aviso à navegação: pode ser um bocado lento a carregar, mania do agá dê

No mp3: Triptonikhan – Toxicana Turnpike

Nem acredito que é a primeira vez que escrevo sobre este massacre.

Triptonikhan é um projecto de um tal de Scott Hanshew que, fechado em casa num dia de violenta tempestade de granizo, decidiu fazer o seu próprio épico apocalíptico.

Pelo menos é assim que imagino a coisa, sempre que o leitor de mp3 repete Toxicana Turnpike pela enésima vez, no autocarro. Aos primeiros segundos de aviso de que o planeta foi invadido por um exército de robots semi-conscientes, a minha mente já está noutro sitio e a velhota ao meu lado já é um robot de cozinha com ordens assassinas.

Toxicana Turnpike é um álbum grande, barulhento, cheio, que alia de forma muito pouco ortodoxa todo o tipo de musica bass com uma imagética da mais pessimista ficção cientifica. Dubstep, breakbeat, drum n bass, hip hop,todas as armas que utilizem os graves como munição são postas à prova contra os alvos indefesos que nós somos.

E porquê indefesos? Porque este álbum fantástico está para download gratuito no bandcamp do projecto, e tuga que é tuga não deixa escapar uma borla. Ainda por cima se a borla for inovadora, a tempos negra mas sempre, sempre  um estupor de divertida.

Se curtirem e tiverem uns trocos, o Scott agradece qualquer coisinha.

Esben and the Witch – Warpath (video)

Novo vídeo para os Esben and the Witch, acabadinho de estrear na Pitchfork.tv. Também conhecidos aqui por casa por “Zola Jesus em bom”, os nativos de Brighton terão o seu primeiro LP Violet Cries cá fora no ultimo dia do mês, pela Matador.

É difícil não fazer comparações com Siouxie and the Banshes, e ninguém se parece dar a esse esforço extra. Eu também não, embora se deva dizer que essa similitude com o trabalho vocal de Rachel Davies seja mais fruto de uma escola que a ex-groupie dos Sex Pistols involuntariamente criou, que simples cópia desinspirada.

Mais importante mesmo é que o rock assombrado dos Esben and the Witch se sustenta por si próprio, e por isso oiça-se e veja-se Warpath, segundo single do denso Violet Cries.

Vodpod videos no longer available.

Esta Warpath, assim como mixes de outros temas, pode ser baixada à pala no site da banda.