Agnes Obel – Riverside (video)

Da Dinamarca, chegam-nos os sons de Agnes Obel. A cantautora, que faz questão de assinar todas as fases da produção da sua musica, está prestes a lançar o seu primeiro álbum, Philarmonics, depois da grande promessa do EP Riverside.

E é o tema-titulo desse EP que se apresenta hoje: Riverside também abre Philarmonics e é de facto excelente porta de entrada para o mundo algo minimalista de Agnes Obel, povoado de fantasmas e outras criaturas da noite, suavemente embaladas por melodias perfeitas e ritmos de percussão e teclas com precisão quase electrónica. A voz, é a das fadas que existem.

Philarmonics é uma colecção de canções para “aqueles” dias e para todos os outros pois, apesar da aura de floresta negra que rodeia o ambiente do álbum, existem sons para todos os estados de alma. É, acima de tudo, musica de assinatura, velha guarda, sem lo-fi. De um coração para quem o queira ouvir… e aqui ouve-se em repeat.

Fica o vídeo para Riverside.

Philarmonics sai nos princípios de Outubro, e o myspace é de visita obrigatória.

Cassius – I Love You So

Da cripta ressurge o projecto Cassius, depois de um longo hiato de… 1 ano!?

Ok, apercebo-me que não ouvia falar do duo francês desde o 1999, tempos em que Cassius ainda era o melhor pior super-herói da baixa parisiense. Foi por isso com bastante surpresa que ouvi o novo ep para 2010, The Rawkers, e lá encontrei temas do mais absoluto requinte e finesse.  Claro que os tempos da french house viciante/delirante já lá vão há muito, mesmo para os Cassius, mas como só apanhei agora o comboio, tudo é novo para mim: especialmente a ideia de associar Cassius a musica, diga-se, sofisticada, cheia de ideias interessantes mas deliciosamente contida na sua entrega.

E um dos temas que melhor o demonstra é, felizmente, o single de apresentação I Love You So. Numa primeira leitura pode suspeitar tentativas de apanhar o comboio dubstep quando começa a render, afinal estariam longe de serem os únicos ou os primeiros.  Mas quando nos apercebemos que o tema é Ibiza é toda a linha, que as sensações que desperta são as mesmas de uma Feeling for You com ritmo mais espaçado e sedutor, percebemos o triunfo que é este single. Há já quem grite FRENCHSTEP! (ideia tão absurda que não deixa de ser uma óptima ideia): no entanto e por enquanto, I Love You So é pelo menos um dos grandes sons desta segunda metade de 2010 e um excelente regresso de um projecto que, dizem afinal, nunca tinha ido a lado nenhum.

The Rawkers EP sai em Outubro, pela Ed Banger.

Parenthetical Girls – Young Throats (video)

Já cá canta, saliva e muda de roupa o novo EP dos Parenthetical Girls. Segunda parte da saga Privilege, este conjunto de mais quatro canções tem como single de apresentação Young Throats, da qual apresentamos o vídeo.

Muito mais interessante que o que se passa naquele bosque (what’s wrong with her faace?) é a escolha do single: talvez o tema menos parenthetical dos parenthetical, Young Throats é o ultimo álbum dos Editors se eles tivessem falsete e personalidade. Um tema refrescante e, melhor que tudo, apenas um OVNI num EP que ainda cultiva tudo aquilo que faz dos Parenthetical Girls uma das mais interessantes bandas da indie mais “exigente”.

Depois de Evelyn McHale, em apresentação do primeiro EP Privilege, Pt. I: On Death & Endearments, fica Young Throats, de Privilege, Pt. II: The Past, Imperfect.

Vodpod videos no longer available.

No mp3: MIT. “Pudong” (video)

Os MIT são um trio alemão (Cologne) cuja ascensão, longe de meteórica, tem sido interessante. Os rapazes tinham umas ideias, trabalharam essas ideias e, num dia de loucura, resolveram convencer o manager de Peaches a ouvi-los. A performer gostou tanto que os colocou a fazer a primeira parte dum seu concerto logo nessa noite e, claro, a partir daí choveram datas, criou-se um álbum – CODA – , finalizaram-se os estudos universitários. Agora, mais propriamente em 10 de Setembro último, apresentou-se novo álbum, que promete dar que falar.

Diz-se que os MIT são sobre economia pop , a mesma duns Neu! e acima de tudo  duns Kraftverk. Fala-se das suas opções rítmicas mais tradicionais, que lhes valeram um som distinto e a produção de Jas Shaw dos Simian Mobile Disco para o ultimo disco. Estas seriam certamente motivações mais que suficientes para dar uma entusiasmada audição a este novo Nano Notes

…mas eu sei o que me puxou. Há algo de absolutamente hipnótico no conceito de musica electrónica cantada em alemão, que me bate fuerte de todas as vezes que me exponho a ela. Aquela ideia semi-industrial duns tipos a cantar directamente para o microfone como se fosse um púlpito, a injecção despropositada de seriedade cool em letras que abordam tanto a condição do humano em território asséptico como a toalha de mesa da vizinha.

Por outras palavras, MIT assinam uns Kraftwerk para a nova geração (finalmente) e cantam em alemão, e não há nada mais cool que cantar em alemão. Fica o vídeo para Pudong, e Nano Notes já está nas lojas.

Anita Vai ao Mel 13

Já passou algum tempo desde o último programa, e as razões são variadíssimas (e algumas delas são mentira). A ultima (verídica, juro) envolve problemas de som muito pouco interessantes, por isso passemos à frente.

Como passou imenso tempo deste o ultimo desaguar de sons, a bexiga do blog está cheia e é necessário evacuar (peço desculpa). Como duas semanas e meia de musica não cabem em 60 minutos nem por bruxedo, sugiro para o Anita Vai ao Mel #13 não uma mas duas sessões de tempo reduzido, que podem ouvir em sequência ou separadas ou ao contrário ou como quiserem. Não havendo apresentações do que se está a passar, segue texto com os pormenores da tracklist, depois de clickarem na setinha MORE. Divirtam-se!

Continue reading

Dj Shadow – Def Surrounds Us + I’ve Been Trying

Dj Shadow está a distribuir para download gratuito – DURANTE 24 HORAS – a excelente Def Surrounds Us, acompanhada de I’ve Been Trying, ambas a fazerem parte do futuro álbum, ainda sem data de saída.

Já tínhamos passado a primeira no programa há umas semanas, mas o único som disponivel era uma radio rip que ainda assim fez as delicias de toda a gente. Apanhem-na agora na qualidade que merece e a seguir regozijem-se da vossa velocidade e dinamismo ao som de I’ve Been Trying, mais um daqueles temas formato canção com que Dj Shadow nos propõem que vejamos o pôr do sol.

Basta clickar aqui e dar o email costumeiro. Façam isso rápido. Portanto agora.

of Montreal – Sex Karma (Cemetery Gates session video)

A Pitchfork abre a Segunda-Feira cinzenta com três mais cinzentas indiscrições ao sub-mundo of Montreal. Ao vivo da cripta mais iluminada deste lado de Marte, apresentam-se Sex Karma e Coquete Coquette do ultimo False Priest, e ainda  recordação para Heimdalsgate like a Promethean Curse do clássico Hissing Fauna, Are You The Destroyer?

No primeiro vídeo já aqui em baixo, chama-se ao púlpito uma belíssima Solange Knowles, que entre um severo mas estranhamente rítmico episódio epiléptico consegue cantar com alguma certeza “you look like a playground to me” sem se evaporar na cripta. Admiramos a coragem e a mulher é linda, deus a abençoe.

Os outros temas também estão uma delicia e posso dizer, sem ponta de sarcasmo, que nunca os dois temas do ultimo of Montreal me soaram tão bem. Ainda não entrei no álbum como desejaria mas, para work in progress, está no bom caminho.

Vodpod videos no longer available.

Para os outros dois temas, clickem para os seguir na cripta Pitchfork.